Após atraso, o 1º satélite angolano para televisão e internet, Angosat-1, estará em órbita em 2017

A construção do primeiro satélite angolano Angosat-1 em conjunto com consórcio russo, que terá distribuição dos serviços de Telecomunicações; televisão e internet, em todo território nacional, será finalizada no primeiro trimestre de 2017. Iniciada em novembro de 2013, o lançamento era previsto para novembro deste ano de 2016, porém sofreu atrasos.

 

No último sábado, 20, o ministro das Telecomunicações e das Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha, durante uma visita ao centro de operações localizado na comuna da Funda, em Luanda reafirmou o compromisso da finalização do novo satélite. Já para o Diretor Geral do GGPEN, Gabinete de Gestão do Programa Espacial Nacional, Zolana Rui João, fez uma apresentação sobre Angosat 1: “Desafios, benefícios e oportunidades para a comunidade académica”, relatando os desafios e benefícios do novo satélite para Angola.

 

Zolana João esclareceu que o Angosat1 apoiará a distribuição dos serviços de Telecomunicações, nomeadamente televisão e internet, em todo território nacional, concorrendo para a inclusão digital de todos os Angolanos e para a coesão nacional, além de contribuir para a criação de competências nacionais no ramo da Engenharia e Tecnologia Espacial. O Diretor do GGPEN explicou ainda como deve ser colocado o satélite em órbita e clarificou os objetivos de uma missão espacial, referindo os requisitos necessários para que possa ter êxito.

 

A concepção e montagem do satélite está avaliada em cerca de 1.200 milhões de reais, (300 mil euros), e o orçamento engloba a construção do Centro de Controle e Missão de Satélites. O Angosat-1 será monitorizado em Angola e na Rússia, e vai facilitar as comunicações e a troca de informação em todo o país.

 

Zolana definiu o projeto Angosat-1 como um satélite geoestacionário artificial, que estará em órbita a 36 mil quilómetros acima do nível do mar, com a mesma velocidade de rotação da Terra e cobrindo um terço da superfície do planeta. O edifício do Centro de Controle e Missão de Satélites na comuna da Funda terá a missão de rastrear os dados da telemetria enviados pelo Angosat-1.