AT&T considera vender operações na América Latina mas crise econômica adiará os planos no Brasil

A empresa norte-americana de telecomunicações AT&T voltou a falar sobre sua atuação na América Latina, proveniente da compra das operações da DirecTV, e afirmou que existe a possibilidade de vender ou combinar ativos na região. No caso do Brasil, a companhia é detentora da Sky, terceira maior operadora de TV paga do país, após Claro e Net (ambas da América Móvil).

O CEO da AT&T Randall Stephenson afirmou que os negócios são saudáveis e que eles consideram a venda dos ativos, mas não estão com pressa. No caso do Brasil e Venezuela, que passam por crise econômica e fragilidade política, a companhia está aberta a outras opções. O serviço de TV gera caixa suficiente para se sustentar, mas a empresa gosta de oferecer pacotes, juntamente de serviços como internet, por isso julga interessante a combinação estratégica com outras empresas para complementar as que oferecem o serviço único de TV, como é o caso da Sky no Brasil.

O real brasileiro teve uma queda de 29% este ano e a preocupação da empresa é que a instabilidade política cause recessão e deterioração das finanças do país. “Nós podemos ser pacientes. Não é a melhor hora para fazer negócios por causa da situação econômica e monetária”, explicou o executivo.

AT&T considera vender operações na América Latina mas crise econômica adiará os planos no Brasil

A empresa norte-americana de telecomunicações AT&T voltou a falar sobre sua atuação na América Latina, proveniente da compra das operações da DirecTV, e afirmou que existe a possibilidade de vender ou combinar ativos na região. No caso do Brasil, a companhia é detentora da Sky, terceira maior operadora de TV paga do país, após Claro e Net (ambas da América Móvil).

O CEO da AT&T Randall Stephenson afirmou que os negócios são saudáveis e que eles consideram a venda dos ativos, mas não estão com pressa. No caso do Brasil e Venezuela, que passam por crise econômica e fragilidade política, a companhia está aberta a outras opções. O serviço de TV gera caixa suficiente para se sustentar, mas a empresa gosta de oferecer pacotes, juntamente de serviços como internet, por isso julga interessante a combinação estratégica com outras empresas para complementar as que oferecem o serviço único de TV, como é o caso da Sky no Brasil.

O real brasileiro teve uma queda de 29% este ano e a preocupação da empresa é que a instabilidade política cause recessão e deterioração das finanças do país. “Nós podemos ser pacientes. Não é a melhor hora para fazer negócios por causa da situação econômica e monetária”, explicou o executivo.