Esporte Interativo fez oferta por direitos de TV, com os clubes brasileiros para temporada de 2019

Em busca de fecharem acordo com pelo menos oito clubes, executivos da Americana Turner, dona do Esporte Interativo (EI), tentam, em conversas com dirigentes, minar os argumentos usados pela Globo para renovar o contrato de transmissão dos jogos do Brasileirão em TV fechada a partir de 2019. Até agora, só o Santos afirmou publicamente ter aceitado a proposta da concorrente da Globo por um acordo de seis anos.

“A conversa está só no começo, mas a proposta do Esporte Interativo é interessante. A Globo é uma parceira, só que o que ela ofereceu ao Santos não nos interessou. Além disso, é positivo estimular a livre concorrência”, afirmou ao Roma Júnior, presidente santista. “Sei que parte dos clubes já fecharam com a Globo, mas não vejo problemas em dois canais terem os direitos. Cada um mostra os jogos dos times com os quais tem contrato quando eles se enfrentarem. Está na hora de bagunçar um pouco o coreto”, completou o cartola do Santos ao UOL Esportes.

A Globosat já fechou com oitos clubes a renovação dos direitos para a TV fechada do Brasileirão a partir de 2018. O último a renovar com a emissora foi o Fluminense, que se junta a Corinthians, Vasco, Botafogo, Vitória, Sport, Cruzeiro e o Atlético-MG. Já Santos, Grêmio, Internacional, Coritiba, Atlético-PR e Bahia, que está na Série B, estão negociando com o Esporte Interativo. São Paulo e Flamengo negociam ao mesmo tempo com Globo e o EI e ainda não se decidiram. E o Esporte Interativo tem interesse de fechar com o Santa Cruz.

A Turner deixou os dirigentes escolherem o que é melhor. E a escolha foi pela divisão de 50% igualitariamente, 25% de acordo com a audiência e 25% conforme o desempenho esportivo. Nos últimos anos, a Globo vinha se recusando a mudar o formato pelo qual paga mais a Corinthians e Flamengo, que têm melhores audiências. A programadora enfrenta a concorrência, na TV fechada, do canal Esporte Interativo, que também vem conversando com os clubes de futebol e que recentemente entrou na grade da operadora NET.

Partes envolvidas diretamente na negociação e que conhecem como funciona o atual mecanismo de divisão do dinheiro da TV argumentam que se alguns clubes fecharem com o Esporte Interativo e alterarem a janela atual de TV paga, correm o risco de perder pelo lado do Premiere, canal pay-per-view da Globosat, o que diminuiria “sensivelmente” suas receitas.

Esporte Interativo fez oferta por direitos de TV, com os clubes brasileiros para temporada de 2019

Em busca de fecharem acordo com pelo menos oito clubes, executivos da Americana Turner, dona do Esporte Interativo (EI), tentam, em conversas com dirigentes, minar os argumentos usados pela Globo para renovar o contrato de transmissão dos jogos do Brasileirão em TV fechada a partir de 2019. Até agora, só o Santos afirmou publicamente ter aceitado a proposta da concorrente da Globo por um acordo de seis anos.

“A conversa está só no começo, mas a proposta do Esporte Interativo é interessante. A Globo é uma parceira, só que o que ela ofereceu ao Santos não nos interessou. Além disso, é positivo estimular a livre concorrência”, afirmou ao Roma Júnior, presidente santista. “Sei que parte dos clubes já fecharam com a Globo, mas não vejo problemas em dois canais terem os direitos. Cada um mostra os jogos dos times com os quais tem contrato quando eles se enfrentarem. Está na hora de bagunçar um pouco o coreto”, completou o cartola do Santos ao UOL Esportes.

A Globosat já fechou com oitos clubes a renovação dos direitos para a TV fechada do Brasileirão a partir de 2018. O último a renovar com a emissora foi o Fluminense, que se junta a Corinthians, Vasco, Botafogo, Vitória, Sport, Cruzeiro e o Atlético-MG. Já Santos, Grêmio, Internacional, Coritiba, Atlético-PR e Bahia, que está na Série B, estão negociando com o Esporte Interativo. São Paulo e Flamengo negociam ao mesmo tempo com Globo e o EI e ainda não se decidiram. E o Esporte Interativo tem interesse de fechar com o Santa Cruz.

A Turner deixou os dirigentes escolherem o que é melhor. E a escolha foi pela divisão de 50% igualitariamente, 25% de acordo com a audiência e 25% conforme o desempenho esportivo. Nos últimos anos, a Globo vinha se recusando a mudar o formato pelo qual paga mais a Corinthians e Flamengo, que têm melhores audiências. A programadora enfrenta a concorrência, na TV fechada, do canal Esporte Interativo, que também vem conversando com os clubes de futebol e que recentemente entrou na grade da operadora NET.

Partes envolvidas diretamente na negociação e que conhecem como funciona o atual mecanismo de divisão do dinheiro da TV argumentam que se alguns clubes fecharem com o Esporte Interativo e alterarem a janela atual de TV paga, correm o risco de perder pelo lado do Premiere, canal pay-per-view da Globosat, o que diminuiria “sensivelmente” suas receitas.